Dust in the Wind

Duas da manhã…o telefone tocou, a esta hora boa coisa não deve ser,pensou enquanto esfregava os olhos e caminhava para a sala.
Do outro lado,uma voz conhecida,mesmo com um leve sotaque espanhol!
-Meu pai morreu! Preciso da tua ajuda,gostaria que me representasse na cerimonia fúnebre,que vai ser em São José dos Ausentes! Sei que a hora é imprópria,mas é só contigo que conto!
Zonzo e surpreso,disse que sim!
– Lamento não ter te procurado em outras ocasiöes,mas sabes bem como sou esquisito,ainda mais assim fiquei,vivendo nesta terra de sangue e fogo! Quando puder estarei neste número de telefone!! Obrigado por tudo…
Desligou o telefone,foi até a cozinha,um copo de água,melhor seria um copo de vinho,olhou o relógio,passaram apenas dez minutos…e o sono foi embora.
Sentado na varanda,olhar perdido,poucos carros cruzavam a madrugada! Começou a lembrar do amigo querido,distante e íntimo.Trinta anos!!! Faziam dez anos que não se falavam. O adeus foi no aeroporto.
– Cuida dos meus livros que um dia eu volto prá buscar!!
Sono zero…sonhos tantos!! Uma rápida olhada nos aéreos,sem chance!!
Duas cuecas,duas meias,camisa lacoste preta,casaco,escova de dentes e os cds da década de 80…
Tanque cheio,motor de alta performance, riscou a dutra durante a madrugada!!! Ao amanhecer,já estava na Régis Bittencourt.Caminhōes,carros e postos de gasolina!! Um lanche rápido na chegada a Curitiba. Optou por seguir pelo caminho de Lages…Péssima escolha. Buracos,pista estreita e cansaço! Modafinil 200mg…Salvo!!!
Quatro da tarde entrou pela rua principal…direto para a pousada Flor de Açucena…banho rápido,barba bem feita com match 5…no espelho,estava perfeito!!
Na igreja de São José,missa de corpo presente!!! Apenas uma mulher e o padre Gregório!!!
Aproximou se de mansinho,viu que era D.leonida,mãe do amigo querido,velha forte,traços indigenas,cabelo negro,pouquissímos fios brancos,a despeito dos seus oitenta anos!!!
– Meu filho!!! o que tu faz aqui??
– Ele me ligou e pediu para eu estar aqui!!!
– E a Sra.?Depois de tudo,porque veio?
– Para ter certeza que este infeliz esta morto e vai ser enterrado!!!
Surpreso com a franquesa da velha,aceitou o silêncio. Ainda ficaram juntos até o final do dia, quando ela partiu no ônibus,para Bom Jesus…
Cansado e sozinho,ficou olhando a lua cheia,sentado na varanda da pousada!! No final de tudo somos apenas as decisōes que tomamos…o resto é pó ao vento!!!

Outono

Querido Antonio!!
Soube pelo Dr.Guimaraes que vens falando sobre o surgimento deste pequeno
embrião,constituido de bondade,bom humor e entusiasmo!!!
Palavras e emoçōes que não me visitam há muito tempo.
Também soube que lembravas muito do entardecer,nos fundos da minha casa,mateando e olhando o balanço dos eucaliptos.
Já faz muito tempo…deixei de trabalhar,faz uns cinco anos,glaucoma,catarata e diabetes,tres pragas que me assolam! Não conseguia mais ver o mundo das células,através do microscópio zenith!!! Mas continuo assombrado pelas cores dos esfregaços,das laminas coloridas,infiltrados escamosos…ainda hoje sou um admirador da luta pela sobrevivência,que as células neoplásicas travam com o restante!!!
Nestes anos a doença maniaco depressiva, que me aflige,deu uma trégua,meu psiquiatra está usando lamotrigina e me adaptei.Mas meu caráter é depressivo e não sei viver sem a danada da melancolia. Nào gosto quando dizem que sou do espectro bipolar,soa falso!
Deves saber que este email é escrito pela Carmem,como podes ver,ela ainda me atura!
Fica um convite…Passo Fundo,mate e argumentação!
A Carmem promete servir as cuecas viradas com canela e açúcar!
Segue uma sequência para São Miguel dos Milagres…e se quiser saber,eu mentiria se me pedisses!!
abs
Aventino

Vazio e fracassado,foi assim que passei os últimos dias deste verão infernal!
Espero que o outono traga um alento,uma esperança,um refresco.
Estou cansado das noites mal dormidas,dos pesadelos molhados,do barulho deste coração bobo…Acho que é falta de ser desejado,amado, da gana de beijar,ser beijado,sem palavras,apenas gestos e toques!
Foi um erro,eu sei!! Tentar beijar Maria Rita…O rubor cobriu o seu rosto,eu idiota,sem saber o que fazer com as mãos. Um velho apaixonado,é assim que sinto!
Amanhã deixo São Miguel dos Milagres,sem destino,levo minha imoralidade junto com a insensatez para longe,mais ainda,daquilo que fui e sou…
Odeio esta praia linda,os coqueiros,o mar,a brisa…odeio esta vida simples!
Que tolice…imaginar que esta mulher jovem, cheirando a jasmim,poderia ter interesse neste
amontuado de carne velha e ossos porosos…
Constrangido,como poderia olhar para ela e ele?
Melhor seria ficar amando em silêncio,vivendo a fantasia da felicidade do amor!!
E no fundo,acho que o amor é só fantasia…uma desculpinha para o erotismo e a sensualidade!!
Decidido!!! Amanhã cedinho,deixo este povoado,saio para comprar pão e não volto mais!!
Tenho tudo que preciso!!! Dinheiro,isto não é problema!! Compro tudo!!!
Volto a vestir meu bom terno Armani,minhas camisas de algodão egípicio,800 fios!!!
Comer no meu restaurante favorito,ser paparicado pelo maitre…beber litros de Noemia malbec…
É assim que vai ser…que se dane o fígado,esteatose,colesterol,ácido úrico e todas estas coisas que não sei praque servem!

terça feira a tarde

Terça-feira, cinco horas da tarde. Apenas três alunas comigo, em meu atelier de encadernação. Tarde tranquila, divertida, Rod Stewart com sua voz sexy servindo de fundo musical e pretexto para quatro mulheres solitárias falarem de suas vidas amorosas. Aliás com muito bom humor!
Deixo minhas alunas trabalhando e vou até o computador para me comunicar com meus filhos pelo facebook. Quando aperto o enter para encerrar nossa conversa, sinto algo estranho: minha cabeça e meu braço esquerdo começam a formigar e um mal-estar enorme toma conta de mim. Então me levantei, fui até a sala onde estavam minhas alunas e disse: “não estou me sentindo bem, meninas”.
Imediatamente me dei conta da eficiência dessas lindas criaturas, que tenho o prazer de ter como amigas. Logo estava sentada em minha poltrona Berger (que tenho para descansar no intervalo de minhas aulas) com as pernas para cima, delicadamente acariciadas pelas mãos de Martha, que tentava esconder de mim o seu nervosismo diante daquela situação. Ana Lúcia, pondo em prática algo que havia escutado em um programa desses sobre saúde, espetava meus dedos da mão esquerda para que sangrassem, e massageava meu braço numa tentativa de que tudo voltasse ao normal. Maria Celina, com seu espírito pragmático, ligava para o Dr. Fernando, meu clínico, e para meu ex-marido José Carlos, certamente para que a orientassem no passo seguinte. 
Naquele breve tempo de espera, minha perna esquerda também já não respondia ao meu comando. Lembro-me de ter pensado, olhando através da janela, para aquele verde que sempre cumpriu com a tarefa de me alegrar e de me fazer começar meu dia de trabalho com entusiasmo e criatividade…  – Então é isso? Tudo se acaba assim? Achei que meu corpo estava me abandonando, que minha existência estava chegando ao fim.
Descemos de elevador, eu amparada por minhas amigas, e ficamos esperando o José Carlos chegar para nos levar ao Pró-Cardíaco. Chegamos ao hospital em poucos minutos. Tudo já havia sido providenciado. O médico de plantão começa a me fazer perguntas; tento responder para facilitar seu parecer, mas ao mesmo tempo me perguntava se não seria melhor fazer logo alguns exames. Notava que, ao falar, minha boca começava a entortar. Apesar de não ter verbalizado essa questão, ele decidiu me internar. Agora, eu podia ler em seus olhos, “esta mulher não tem nada, mas já que está aqui e com tantas recomendações, vamos lá!”. Ressonância, testes neurológicos, exame de sangue. Tudo parecia normal. De qualquer modo, você vai permanecer em observação até amanhã, e aí então faremos alguns exames complementares. Assim foi feito.
Exames do coração. Bem, parece que temos uma dúvida aqui. Vamos precisar de outro exame para descartarmos qualquer possibilidade. OK! Já havia me decidido, na véspera, me entregar a eles, afinal de contas eu queria viver.
Um intervalo de algumas horas para o exame em questão. Chegou a hora do exame, enfermeiros entrando com equipamentos, cadeira. Uma cânula enorme com câmera é apoiada sobre a minha cama, pela médica assistente. Entra então o médico chefe e diz, “não quero este aparelho”. Para encurtar a história, dentro de um quarto pequeno de hospital, no qual me encontrava só, naquele momento, senti um certo pânico, com toda aquela confusão e toda aquela gente. Médicos, enfermeiros, todos me tratando como se eu fosse um pedaço de algo, e ainda alguns alunos que prestavam atenção ao que o médico-chefe dizia. Naquele momento senti que meu corpo servia apenas para ilustrar uma parte de uma aula de anatomia ou algo do gênero. Então, finalmente me sedaram . Quando acabaram de realizar o exame, o médico-chefe me acordou e disse: “está tudo bem querida, não era nada”. Não voltei mais a vê-lo depois disso. Quando acabou o efeito da sedação, entrou em meu quarto uma fonoaudióloga, para fazer alguns testes. Para ver se apesar da minha paralisia facial eu poderia comer algo. Foi quando percebi, ao deglutir, que haviam me machucado com aquela cânula enorme. 
Bem, finalmente, exames e testes chegaram ao fim! Pude então almoçar umas papinhas horrorosas. E como prêmio por ter suportado tudo aquilo com dignidade, ALTA, pode ir para casa. Sem diagnóstico doutor? Sim, sem diagnóstico.
Tive que aceitar, ao final das contas, quantas vezes ficamos sem respostas.
 
Monica Iriarte

suspiro

Dr.Antonio.
Segue uma pergunta,que me deixou intrigado…
não conheço o interlocutor,recebi a pergunta que me tocou,pois eu tinha esta mania de fazer durar o picolé chicabom,que eu comprava,sempre ,depois das aulas de educação fisica. Me fez recordar da escola Júlio  de Castilhos,em Bom Jesus!
Sigo lutando em Salamanca…a vida esta mais difícel por aqui,mas o espirito aguerrido dos espanhois, contagia e não abriremos  mão dos avanços sociais,como os gregos fizeram!!!
Fiquei muito contente com a participação do Mr.Simon,postando suas fotos de ruas e pessoas!
abs,saudosos !
Dr.Solano
“Prestes a morrer… é assim que as vezes eu sinto…sem taquicardia ou falta de ar,sem dor ou qualquer mal estar.Simplesmente sinto que vou morrer,pensei que poderia ser pânico ou qualquer ansiedade,estresse,mas nada tenho! Gozo de boa saúde,minhas contas em dia,amo e sou amado,amigos,lazer e um bom emprego!!
Isto tem acontecido com mais frequência,paradoxalmente em dias belíssimos ou em noites de lua cheia. Associei com um hábito infantil tomar sorvete aos pouquinhos,para que durasse mais. A vida é excessivamente curta,para tudo que é possivel fazer,ver,e ouvir.
Existitiria algúm tipo de remédio que me ajudasse a deixar de sentir esta aflição?
Aguardo a sua resposta.
Abs.
Jonas.”

Calor

Aos que não participaram dos diálogos clinicos do dia 29/02 segue um breve resumo:

A abertura muito concisa,realizada pelo Dr.Andre,sempre cuidadoso com as palavras,nos livrou das especulaçōes sobre a eugenia! 
Dr.López na sua resenha do livro O que nos faz humanos,destacou as contribuiçōes de Pavlov,Piaget e Freud,mas manteve seu posicionamento que a genética é preponderante no processo evolutivo!
Dr.Torres,timidamente,puxou a sardinha para a psicanálise,valorizando o processo de livre associação como potente modificador do humor,afeto e capacitando o homem a   direcionar com mais qualidade suas decisōes frente a vida.
Dr.Solano,via skype,o que foi inovador, argumentou que o inconsciente coletivo,através dos anos,poderia gerar um tipo de imprint,genético!!! Muito contrariado,pois trata se de especulaçōes,não havendo ainda estudos que possam ser testados e replicados. Sem dúvida foi o ponto alto do debate…as questōes da ordem do Divino,Sagrado. Místico e profundo, lembrou da Dra.Nise da Silveira,os arquétipos,a sincronicidade!!! 
Finalizando o encontro,nosso mediador,Dr.Guimarães, disse que a resposta pra quase tudo é GOD… genome organising device!!!
Abs a todos!
Dr.Antonio
Quero agradecer a Sra. Toledo pela deliciosa torta de maçã com creme de leite….